Orelhas
O Vampiro de Budapeste

José Costa é um dos maiores escritores-fantasma do Brasil, mas se ressente de não ter seu trabalho reconhecido. Na volta de uma viagem, em que é forçado a fazer escala em Budapeste, conhece uma estranha mulher, Kriska, que, depois de uma tórrida noite de amor, vai mudar a vida de José Costa para sempre. De volta ao Rio de Janeiro, ele começa a não mais suportar a luz do Sol e é obrigado a voltar para Hungria, aprender sobre seus novos poderes e a falar húngaro, a língua do Diabo.

No mais recente Mashup literário, Sírio Meiga abraça um dos maiores livros da atualidade e o transforma num fenômeno pop. Saem as digressões do maior poeta da música brasileira e entra a divagação sobre a solidão e melancolia do vampiro moderno que, por ser brasileiro, não consegue ser aceito nos herméticos círculos vampíricos do Leste Europeu.

O Dia do Dragão

O que esperar de um funcionário público, morador do interior de São Paulo, sem perspectivas de vida maiores que a aposentadoria e morte solitárias? E se você soubesse que este funcionário público é o último descendente de uma raça de draconideos, seres nobres e poderosos que um dia dominaram a Terra?

Em “O dia do Dragão”, romance de estreia de Carlos Saura, acompanhamos a história de José Dracomel desde a descoberta de sua origem, até o ápice de sua jornada atrás de indícios de que ainda hajam outros como ele. Essa busca se desdobra numa poderosa metáfora sobre a condição humana moderna, transformando José Dracomel num eco de Quixote e o próprio Saura numa espécie de Cervantes que teve a oportunidade de ler R. L. Stine.

Carlos Saura é o mais novo representante da Literatura Fantástica Brasileira. Goiano, de 22 anos, diz que a precocidade é seu trunfo. Por não ter lido nenhum grande autor, não se sente contaminado e tem a oportunidade única de trazer algo completamente novo para o mundo das letras.

O Dia do Dragão” já teve seus direitos vendidos e se tornará filme ainda em 2012. A continuação, “Segredos da Lua Dracónea”, será lançada em 2011, pela Cera de Ouvido Editora Ltda.

Nossa canção

“Por que todos os outros casais têm uma música, menos a gente?”

Carlos está apaixonado por Marcela, mas falta algo no relacionamento. Por terem se conhecido durante um apagão, não havia nenhuma música tocando. E não poder gritar com voz estridente: “amor, é a nossa música que tá tocando”, pode significar o fim dessa linda história.

Ao longo de uma jornada, por vezes trágica, por vezes, cômica, e, por vezes, tragicômica através de Raves, Micaretas, Shows das mais variadas bandas e até mesmo (ah, o inusitado) um barzinho com ‘voz e violão’, Carlos e Marcela aprenderão muito sobre música e talvez um pouco sobre si mesmos, até alcançarem o ápice da jornada, num show de um cover do Roberto Carlos.

Nessa tocante história, o consagrado autor Davi Miau de “Marte é o que somos” (sonetos) e “Ai de ti, Guarapicica” (crônicas) embarca em seu primeiro romance, evocando mestres da prosa contemporânea como Garcia Márquez e Chico Buarque.

Olá Mundo. Este é um tumblr sobre literatura fantástica.